Como Funciona!

Assista aos vídeos abaixo para saber como funciona a cadeia alimentar do solo.

O QUE É A CADEIA ALIMENTAR DO SOLO?

Nesta série de vídeos, você descobrirá como a Cadeia Alimentar do Solo funciona em harmonia com as plantas para produzir vários benefícios, incluindo:
  • Aumento de Produtividade
  • Proteção contra Pragas e Doenças
  • Redução de Demanda de Irrigação
  • Não há necessidade de Fertilizantes
  • Supressão de Ervas Daninhas
  • Proteção contra Erosão do Solo
  • Sequestro de Carbono
  • Proteção contra Insetos e Aves
E mais…

CICLAGEM DE NUTRIENTES

Esse é o processo pelo qual microrganismos benéficos colhem nutrientes da matéria orgânica do solo e também do “material original”. Rochas, seixos, partículas de areia, siltes e argilas são todos considerados “materiais originais”. Em nível molecular, eles quebram estruturas cristalinas que não são facilmente acessadas. Essas estruturas contêm átomos de ferro, boro, fósforo, cálcio, potássio etc. As plantas não são capazes de acessar diretamente os nutrientes dessas estruturas.

Bactérias e fungos, no entanto, produzem enzimas que quebram essas estruturas, liberando os nutrientes contidos. As bactérias e os fungos absorvem prontamente esses nutrientes, que são posteriormente disponibilizados para as raízes das plantas quando predadores de bactérias e fungos consomem suas presas e subsequentemente excretam seus resíduos. É esse resíduo que as plantas absorvem – uma fonte de alimento líquido, denso em nutrientes que pode ser absorvido diretamente na raiz da planta.

As plantas produzem açúcares simples no processo de fotossíntese. Elas injetam cerca de 30-40% desses açúcares (juntamente com outros compostos que produzem, coletivamente conhecidos como exsudatos) no solo. Esta é uma ação deliberada, realizada para alimentar bactérias e fungos cujos números crescem como resultado. A planta está efetivamente investindo nesses microrganismos. Assim que as bactérias e fungos começarem a colher nutrientes, extraindo o material original e decompondo a matéria orgânica, a planta receberá o retorno do investimento – assumindo, é claro, que os organismos predadores estejam presentes. Esse é um fator crítico, que destaca o requisito para a presença de toda a Cadeia Alimentar do Solo. A Dra. Ingham e seus colegas demonstraram claramente que a Ciclagem de Nutrientes não pode ocorrer sem a presença de decompositores e predadores. Além disso, esses grupos devem ser equilibrados proporcionalmente uns aos outros e às necessidades das espécies vegetais em crescimento.

A FORMAÇÃO DE ESTRUTURA

Bactérias benéficas produzem colas que facilitam a formação de microagregados – pequenos aglomerados de bactérias, matéria orgânica e partículas do solo (areia, silte e argila). As hifas fúngicas ligam esses microagregados, formando aglomerados maiores, conhecidos como macroagregados. À medida que mais materiais são unidos, espaços são criados e a estrutura é formada.

Resistência à erosão do solo pelo vento: um solo bem estruturado é mais capaz de resistir à erosão eólica do que um solo de deserto não estruturado, que é facilmente deslocado.

Resistência à erosão do solo pela água: um solo bem estruturado permite que o excesso de água flua através dele. Em um solo compactado, no entanto, ocorre acúmulo de água acima da camada de compactação e, se existir um desnível, o solo saturado é capaz de se mover e é frequentemente arrastado para rios e oceanos. Os microrganismos benéficos podem desconstruir as camadas de compactação existentes e impedir a formação de novas.

Necessidade reduzida de irrigação: um solo bem estruturado, com alto teor de matéria orgânica, atua como uma esponja retendo água por longos períodos de tempo. Isso, juntamente com o fato de que as raízes das plantas são capazes de penetrar muito mais profundamente em um solo estruturado, significa que a necessidade de irrigação pode ser reduzida pela metade no primeiro ano (em alguns casos), quando a rede alimentar do solo é restaurada com sucesso. É o caso de solos arenosos, onde a capacidade de retenção de água é geralmente muito baixa. Em solos argilosos, a extração de água é muito comum. Isso se deve ao fato de as partículas de argila, ou plaquetas, serem planas e frequentemente empilharem, resultando em camadas de compactação. Com a presença da Cadeia Alimentar do Solo, ocorre o processo de floculação, que resulta na repulsão das partículas de argila, permitindo que as camadas de compactação sejam quebradas e a estrutura formada.

SUPRESSÃO DE ERVAS DANINHAS

A presença de fungos benéficos no solo demonstrou inibir significativamente o crescimento de plantas daninhas. Isso ocorre porque os fungos benéficos secretam enzimas ácidas que diminuem o pH do solo. Os níveis reduzidos de pH inibem a capacidade das bactérias nitrificadoras de transformar a amônia, uma forma de nitrogênio, em nitratos, uma segunda forma de nitrogênio que é vital para o crescimento das ervas daninhas.

INIBIÇÃO DE PRAGAS E DOENÇAS

A grande maioria dos microrganismos causadores de doenças é anaeróbica, o que significa que eles prosperam em condições de baixo oxigênio e que se inibem em ambientes ricos em oxigênio. O oposto é verdadeiro para microrganismos benéficos. Um solo bem estruturado permite a entrada de ar, criando um ambiente rico em oxigênio (>6ppm), que seleciona microorganismos benéficos e suprime organismos causadores de doenças.

Com a Cadeia Alimentar do Solo, a planta é rica em nutrientes e, portanto, mais capaz de se proteger, enquanto as doenças são inibidas pelas condições do solo.

As populações de insetos do mundo estão caindo. Um estudo recente descobriu que eles têm diminuído em todo o mundo em aprox. 2,5% ao ano nos últimos 30 anos. Pensa-se que as principais causas são a agricultura química e as mudanças climáticas. Os pesticidas matam indiscriminadamente e acredita-se que estejam ligados à recente redução nas populações de abelhas. Pássaros e pequenos animais que se alimentam de insetos também estão ameaçados. Um estudo recente mostrou que as populações de aves na França diminuíram 30% nos últimos 15 anos. Ao negar o uso de pesticidas e outros produtos químicos tóxicos, como os herbicidas, a Cadeia Alimentar do Solo pode ser empregada para atenuar a ameaça de colapso ecológico.

SEQUESTRO DE CARBONO DO SOLO

As mudanças climáticas representam uma ameaça existencial para a humanidade. O sequestro de carbono do solo está sendo amplamente reconhecido como parte da solução para esse problema. Veja como funciona: as plantas absorvem carbono da atmosfera durante a fotossíntese, produzindo açúcares simples e outros compostos relacionados. As plantas então investem uma proporção substancial (~ 40%) desses compostos ricos em carbono (exsudatos) no solo, a fim de alimentar grupos específicos de microrganismos, como bactérias e fungos. Eles fazem isso porque esperam receber nutrientes em troca (como explicado acima).

Bactérias e fungos usam essa fonte de alimentos ricos em carbono para aumentar seu número, construindo seus corpos predominantemente a partir de carbono. As hifas fúngicas podem permanecer intactas no solo por centenas de anos e, portanto, são capazes de reter grandes quantidades de carbono no solo. Alguns cientistas conseguiram aumentar o carbono do solo em até 20 toneladas (métricas) por hectare, por ano. Estima-se que, ao regenerar os solos do mundo usando a Cadeia Alimentar do Solo, podemos levar os níveis de carbono atmosférico de volta ao ‘nível seguro’, conforme definido pelo IPCC das Nações Unidas – que é de 350 ppm, e que isso pode ser alcançado dentro de 15 anos ou menos!